ACESSIBILIDADE MAPA DO SITE ALTO CONTRASTE TAMANHO DA FONTE:
  • A+
  • A
  • A-

POSTADO EM 08 mar 2021 · Datas Comemorativas

A FORÇA DA MULHER GUERREIRA

Itumbiara tem, de acordo com o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), uma população estimada de 105 mil 809 habitantes. Em 2020, não foi realizado o Censo, feito a cada 10 anos, por causa da pandemia do coronavírus. Mas no último Censo, de 2010, elas eram mais de 50% da população itumbiarense.
Na Prefeitura de Itumbiara, segundo a Secretaria de Administração e Recursos Humanos, atualmente são 3 mil 911 mulheres, entre servidoras em atuação, aposentadas e pensionistas.
Uma das servidoras é a Divina Eterna Vieira, carinhosamente chamada de Eterninha. Agora em 2021, ela completará 60 anos de idade e 32 como concursada na Prefeitura. No momento, é assessora do secretário de Administração e Recursos Humanos, Geraldo Vieira Borges Sobrinho.
Eterninha traz o sorriso largo, a boa risada, a visão positiva da vida e a fé no futuro. “O pensamento e a palavra têm força e, por isso, devemos ser otimistas”, diz. Mas a trajetória dela é de muita batalha. Ficou viúva em 1987, com dois filhos pequenos, Bruno e Renata, para educar. Tinha parado de trabalhar quando casou e precisou retornar ao mercado de trabalho. Anos depois, casou de novo e teve a terceira filha, Laís. Mais para frente, separou-se do segundo marido. Há 16 anos está com o atual companheiro, Remi. E já tem dois netos, o Raul, de nove anos, e a Liara, de quatro. “São uma paixão na minha vida”, fala a avó coruja.
“Tive que ter muita garra para trabalhar e, em nenhum momento, abandonei meus filhos”, conta. “Eu digo para as mulheres mais jovens, que passam o que eu passei, para não desistirem nunca e não pararem nas dificuldades, porque vai dar certo”, complementa Eterninha.
MINHA MÃE, MINHA GUERREIRA
Eterninha dedica o 8 de março, Dia Internacional da Mulher, a uma mulher em especial. A mãe dela, a Dona Maria Divina Vieira, que morreu em fevereiro de 2018, aos 84 anos de idade. “Ela foi a minha força, o meu esteio, uma guerreira”, diz, contando que Dona Maria Divina “cuidava dos meus filhos enquanto eu saía para trabalhar e me ajudou a educá-los”.
E manda uma mensagem: “mãe, onde você estiver, receba o meu abraço e a minha gratidão por tudo que fez por mim e pela nossa família”.
REPORTAGEM: DIONI RIBEIRO / DECOM
FOTOS: ROBSON HENRIQUE / DECOM e
ARQUIVO PESSOAL DIVINA ETERNA